21 de jun de 2014

Sentir

Por quantas incontáveis vezes eu fechei e reabri este espaço sem que para isso não fossem necessários mais do que sentimentos que brotassem em cascata em meu espírito. Digo isso porque, é bem certo que de tudo quanto escrevo e tento imprimir aqui, estão absoluta e profundamente, acima de qualquer divagação, momentos que me levam a reflexões cheias de vida - ainda que esta vida seja imersa em doses de dor.
Eu uso, na maior parte das vezes, minha escrita como um gatilho pro que não consigo expressar e que me faz querer chorar ou ter alguma resposta diante de algum drama - por mais íntimo ou desajeitado que possa ser. Não que isso soe sentimentalista. Me contradigo, absolutamente o é...
O fato é que ando precisando de muito mais do que xícaras de chá ou palavras para conseguir elaborar um mar de coisas às quais venho tentando com elas amadurecer. Uma chave pequena e simples com a qual tenho me deparado em momentos em que não adianta nada: oração. Não existe orvalho mais leve ou poção mais delicada à angústia do que quando, em humildade, curvamos nosso espírito diante de algo bem maior e bem mais sutil do que nossas mentes conseguem transbordar com adjetivos. O nome desse Ser, a profundidade que o envolve bem como a capacidade de sentir absoluta é um dos pormenores mais doces...